Amamos Listas!

Uma das coisas divertidas da Internet, na minha opinião, são as listas. Listas de filmes que os amantes de fotografia precisam assistir, de sinais que você não nasceu para malhar, listas das mais sérias às mais loucas, tantas que fica até difícil saber de onde vem tanta imaginação para tudo isso.

A bíblia também está cheia de listas. O apóstolo Paulo (que se vivesse atualmente provavelmente trabalharia no Buzzfeed rs) foi um dos escritores bíblicos que mais fez uso delas para transmitir seus ensinamentos. Lista das obras da carne em Gálatas 5.19-21; do Fruto do Espírito em Gálatas 5.22; das atitudes dos homens nos últimos dias em II Timóteo 3 1-5; e estes são apenas alguns exemplos.

Hoje, porém, vamos falar de uma lista um pouco mais antiga, conhecida como os 10 mandamentos:

Então falou Deus todas estas palavras, dizendo: Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. Não terás outros deuses diante de mim. Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam. E faço misericórdia a milhares dos que me amam e aos que guardam os meus mandamentos.
Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão; porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão. Lembra-te do dia do sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus; não farás nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro, que está dentro das tuas portas. Porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou; portanto abençoou o Senhor o dia do sábado, e o santificou. Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor teu Deus te dá. Não matarás. Não adulterarás. Não furtarás. Não dirás falso testemunho contra o teu próximo. Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo.
Êxodo 20:1-17

Os dez mandamentos são o resumo de uma série de ordenanças que Deus deixou para o povo hebreu enquanto ele estava atravessando o deserto, indo do Egito rumo à Canaã. Uma lista que pode ser resumida em dois princípios básicos, conforme Jesus nos mostra em Mateus 22.37-39: E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.

Somente esse trecho de Mateus nos daria uma brilhante meditação, porém, vamos retornar à nossa lista, o texto de Êxodo e observar mais atentamente o versículo 17 que diz: Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo.

O que esse versículo tem de diferente dos outros é que não trata de questões externas com relação ao nosso próximo, mas de relações internas – o que eu penso sobre ele e, então, de que maneira me comporto com relação a isto. 

Certa vez Jesus, falando para a multidão, disse: Ouvistes que foi dito aos antigos: Não cometerás adultério. Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela. (Mateus 5:27,28) Neste texto Jesus traz novamente o conceito ampliado de cobiça, quando o pecado não se trata somente daquilo que é externalizado por atos – nesse caso, o adultério – porém aquilo que procede do coração – os desejos.

Também é sobre isso que Paulo fala em romanos, quando mostra que todas as suas práticas eram piedosas, porém seu coração estava longe de ser considerado justo, e se não estivesse escrito isso na lei, o próprio Paulo não se daria conta, porque era algo interno, do seu coração: Que diremos pois? É a lei pecado? De modo nenhum. Mas eu não conheci o pecado senão pela lei; porque eu não conheceria a concupiscência, se a lei não dissesse: Não cobiçarás. Mas o pecado, tomando ocasião pelo mandamento, operou em mim toda a concupiscência; porquanto sem a lei estava morto o pecado. E eu, nalgum tempo, vivia sem lei, mas, vindo o mandamento, reviveu o pecado, e eu morri. (Romanos 7:7-9)

Esse texto de Romanos continua a exposição a respeito da lei, nos dizendo que estamos mortos espiritualmente por causa da nossa inclinação natural para o mal – a cobiça, e todos os maus desejos – porém quando nos damos conta disso e aceitamos que somente por Cristo podemos ser retirados desse looping eterno de dor e sofrimento, somos, enfim, libertos, conforme o texto de Romanos 8.2,3,6: Porque a lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte. Porquanto o que era impossível à lei, visto como estava enferma pela carne, Deus, enviando o seu Filho em semelhança da carne do pecado, pelo pecado condenou o pecado na carne; (…) Porque a inclinação da carne é morte; mas a inclinação do Espírito é vida e paz.

O sacrifício de Jesus significou o rompimento do looping eterno de sofrimento por causa da separação com Deus. Quando cremos nesse sacrifício e aceitamos seguir a Jesus, deixando que ele nos guie, podemos, enfim, fazer nossas próprias listas de vida pois aí, então, teremos os alvos corretos, renunciando aos nossos próprios interesses e buscando um real propósito, inspirado na nossa busca pela santificação, transparecendo nossa fé, materializando-se em formas de amor ao nosso próximo.

 

Luana

Luana

Paranaense de certidão, morando em Indaiatuba, sou eterna aprendiz de Arquiteta e Urbanista. Teologia faz parte do meu histórico familiar, e busco constantemente a transformar em vida cristã verdadeira, pela misericórdia e graça de Deus. Gosto de ler os Schaeffer e pensar sobre a arte a bíblia, ouvir música e viajar.

Se inscreva na Newsletter OsPiácast

* obrigatório